TURISTA RUSSO reza ao pé do caboclo

Fui conhecer de perto a decoração natalina da cidade e ví, logo no meu bairro, o Chame-Chame que era 'meia boca". Metade da avenida tinha decoração, luzes; e a outra metade estava no breu. Na área do Calabar há uma árvore iluminada para enganar os bestas. No Dique do Tororó, também a PMS só iluminou a parte próxima dos restaurantes. No restante a mãe d'água ficou no escuro.

Na Avenida Sete, a antiga e pouco criativa iluminação de sempre, creio que o modelo vem desde a gestão Heitor Dias. A Piedade no escuro. A Praça Castro Alves, de doer de feia. A praça Municipal tá linda com a Vila do Noel e o Cruzeiro de São Francisco idem. A Sé, o bispo Sardinha tá no escuro.

Agora, a melhor parte mesmo está no Campo Grande, uma beleza, Parece até Paris. No Corredor da Vitória, necas de petibiriba, e no Calçadão da Barra só decoração lunar com reflexos no mar.

Então, estava apreciando a decoração do Campo Grande, a única que se pode dizer muito boa, quando de repente me bati com o turista russo. - Será que aquele camarada ali ajoelhado em frente ao monumento ao caboclo é o russo, pensei com meus botões.

E era mesmo. Aproximei-e me e o cumprimentei eu que já o conheço desde o verão passado quando nos apresentamos na Festa de Santa Luzia e fomos filmados pela equipe de German e Andréa Silva, da TV Bahia.

- Você por aqui, fiz a pergunta clássica ao turista Russo, o qual se encontrava ajoelhado em frente ao monumento do caboclo, imitando um personagem que havia no Zorra Total.

- Eu mesmo, comentou o russo, ressaltando que neste época do ano é muito frio em Moscou e preferia estar na capital dos baianos.

- Então vais passar o verão conosco - aumentei a conversa.

- Me vai. Me gosta muito daqui e vai ficar até o Carnaval. Me gosta de samba. Me gosta daquelas mulheres vistosas sambando. Me é apaixonado por um remeleixo. Me não vê isso em Moscou, comentou.

- Também com aquele frio as bundas ficam congeladas - brinquei.

- É verdade, ficam rijas e cobertas de casacões de lãs. Já aqui ficam soltas, marravilhooosas - sorriu.

- Que achou da deocoração do Natal - provoquei.

- Muito bonita. Aqui em Campo Grande estou encantado e vim orar no pé do cabocho para ver se em 2017 tenho um ano melhor, com felicidade e dinheiro no bolso ou no banco - comentou em tom sério.

- Quem lhe ensinou a orar aos pés do cabocho, de joelhos como lhe encontrei - inquiri.

- Foi o senhor Badá, um amigo que conheci ano passado na Festa de Santa Bárbara quando furtaram minha carteira de cédulas e meus documentos. Ele que me deu socorro, me levou para delegacia e me deu comida na Cantina da Lua. Eu estava muito triste, choroso, e ele disse que para mim que "lugar de chorar era no pé do caboclo" e que tudo seria resolvido numa boa.

- E vocês acharam os documentos e o dinheiro furtado?

- Achamos só os documentos. Daí que Sêo Badá mandou eu orar no pé do caboclo para não acontecer mais isso, tirar a 'quizumba' - acho que é esse o nome - e vim aqui orar ano passado.

- Então, você já tinha pago a promessa?

- Quando chegou em abril de 2015 me voltou para Moscou e quando cheguei lá minha esposa, creio que achando que eu não retornaria mais, arranjou outro marido.

- Aí o bicho pegou, suponho?-

- O bicho não pegou tanto que, como o senhor sabe, quando um não quer dois não brigam.

- Isso é verdade. O mundo tá cheio de mulheres e certamente o amigo já conseguiu outra companheira.

- Mas o senhor sabe que tem aquelas pessoas maldosas que ficam falando mal dos outros dizendo que levou ponta, que era bom eu usar touca de touro, essas coisas abomináveis que a gente se aborrece, e não consegui até hoje arrumar outra esposa.

- Então foi por isso que o amigo voltou para o verão da Bahia? - inquiri

- Em parte foi e noutra parte é porque mim gosta muito daqui. E, quem sabe, eu orando no pé do caboclo, consiga minha esposa de volta.

- É, pode ser, esse caboclo é ardiloso, mas nunca ouvi falar que faça milagres - disse.

- Quem sabe, ele me ajuda, senão a ter minha esposa de volta, conseguir conquistar uma baiana.

- E você acha que alguma baiana vai querer morar em Moscou naquela geladeira. As baianas são exigentes e amam sua terra, o dendê, a cultura popular, o samba, a pimenta, as praias, o sol, o Carnaval.

- É desse jeito que o senhor fala tenho que orar muito aos pés desse caboclo.

- O amigo está orando no lugar errado. O santo milagreiro é Santo Antônio, este sim, resolve seu caso. Fale com Badá que ele lhe leva na Igreja de Santo Antônio da Barra. É pá e bola.

- Vou ligar pro amigo Badá é agora. Eu tinha certeza que minha dor de cotovelo seria resolvida na Bahia.

- Disso não tenha dúvida. A cidade da Bahia é a terra dos milagres.

- E esse santo é milagreiro mesmo?

- Levanta até defunto, encerrei a conversa e fui embora.



topo da página Envie esta crônica para um(a) amigo(a)